Mostra de Artes de Raymond de Sá & Convidados


A Exposição Mostra de Artes de Raymond de Sá & Convidados, composta por mosaicos do próprio Raymond e do artista plástico amazonense Felipe Bonates, bem como telas e miniaturas do artista plástico amazonense João Bosco, ficou aberta à visitação pública gratuita no período de 29/11/2012 a 30/01/2013.

 

Conhecido por sua produção em artes plásticas, Raymond de Sá mergulhou na arte do mosaico ao expor elementos da Amazônia em vasos, mesas, e outros objetos de decoração. São princípios já presentes em seus quadros – que buscam uma representação menos mítica da Amazônia e mais cotidiana, baseada em suas intervenções em feiras, praças e em andanças pelo centro antigo de Manaus.

 

Natural de Brasília, Raymond de Sá, conhecido por sua participação ativa em movimentos artísticos em Manaus nos anos 1980, retornou  a Manaus em 2008. De personalidade inquieta, sempre busca outras formas de exercitar sua arte, mostrando suas impressões ao mundo: uma simetria ou assimetria com a vida. Conformismo não é, definitivamente, sua meta na vida. Daí que essa forma de arte, que aparentemente nasce das imperfeições, é solo fértil para que a beleza simples do mosaico frutifique.

 

 Visões do Trabalho Infantil

 

 


Panorâmica

No período de 20/08/2012 a 30/10/2012, o CEMEJ11 abrigou a exposição Visões do Trabalho Infantil na cidade de Manaus que trouxe ao público usuário imagens do trabalho infantil captadas pelos alunos do 2º ano do Ensino Médio da Escola Frei Silvio Vagheggi.

 

Visões do Trabalho Infantil na Cidade de Manaus

 

 A cidade, espaço de múltiplas percepções, de ritmo frenético e célere, passa despercebida para a grande maioria de seus habitantes que transitam por suas avenidas sem se deterem a olhar aquilo que os cercam. Dessa forma, os problemas sociais que a cidade revela em suas ruas, praças e outros espaços passam a ser vistos como algo natural, sem que seus moradores detenham seus olhares sobre os mesmos. Foi no sentido de despertar nos adolescentes um olhar reflexivo sobre as mazelas sociais com as quais se deparam cotidianamente que propusemos a Exposição Fotográfica Visões do trabalho Infantil na Cidade de Manaus. Esse trabalho é um desdobramento da I Mostra Fotográfica realizada pela Escola Estadual Frei Sílvio Vagheggi, Visões da Cidade, que teve por objetivo despertar nos seus alunos um olhar crítico sobre os espaços da cidade na qual estão inseridos.

 

O trabalho infantil, intensivamente utilizado na cidade de Manaus em tempos de outrora, atualmente ainda se mostra muito presente nos mais diversos cantos da cidade. Isto é o que revelam as imagens capturadas por adolescentes, alunos do Ensino Médio da Escola Estadual Frei Sílvio Vagheggi, que na busca da exploração do trabalho de criança, as encontraram realizando as mais diversas tarefas nas ruas, praças e feiras de Manaus.

 

Para além de despertar em nossos alunos um olhar crítico sobre a realidade de crianças que por algum motivo trocaram as brincadeiras e a escola pelo trabalho, a exposição Visões do Trabalho Infantil na Cidade de Manaus é um clamor aos nossos governantes e a sociedade em geral para que pensem ações no sentido de combater a utilização do trabalho infantil. É um chamamento para que se retirem efetivamente essas crianças das ruas oferecendo-lhes os espaços que compete às suas idades, ou seja, o espaço da escola.                                                                                                

 

Alba Barbosa Pessoa

 

 

Amazônia em Cena


A Exposição Amazônia em Cena, com obras do artista plástico brasiliense Raymond de Sá ficou aberta à visitação pública gratuita no período de 06/07 a 15/08/2012. Da obra de Raymond de Sá destaca-se a preocupação em registrar a harmonia do viver amazônico com a natureza pujante que nos cerca. Sua expressão artística diversificada em pintura sobre tela, cerâmica, mosaicos e reaproveitamento de materiais industrializados registra os traços culturais deste nosso Brasil tão cheio de cores, saberes e sabores.

 

CENAS DO TRABALHO NA ECONOMIA GOMÍFERA

 

P1010214

 

A exposição Cenas do Trabalho na Economia Gomífera ficou aberta à visitação no período de 21/05/2012 a 30/04/2013. Participaram da abertura 35 pessoas. Ao todo, a exposição recebeu 707 visitantes dos quais 188 eram alunos.

 

A economia da borracha, cujo auge se deu entre 1870 e 1910, possibilitou a transformação da estrutura urbana de Manaus, além de gerar novas realidades.

 

Expansão do traçado urbano, alterações do espaço físico (aterramento de igarapés, aplainamento de ruas, desmatamentos, arborização das avenidas principais, etc), aumento do conjunto arquitetônico e prédios públicos além de um intenso processo migratório marcaram as novas feições de Manaus. Todo esse processo veio acompanhado de doenças e problemas de moradia e ocupação, comuns em aglomerados urbanos amalgamados em tão pouco tempo.

 

Para movimentar a auspiciosa economia gomífera eram necessários muitos braços, trabalhadores que se ocupariam nas diversas atividades de coleta, transporte e exportação do ouro negro, bem como nas atividades indiretas geradas pelo capital da borracha. O braço desejado nesse momento de ocupação era o branco, de preferência o europeu, caracterizado pelos discursos como mão-de-obra mais qualificada que a nativa.

 

Para atraí-los, era necessário construir uma imagem positiva para o Amazonas. Assim, promoveram-se propagandas da potencialidade econômica da região, desmentindo as notícias sobre sua insalubridade, ressaltando a amenidade climática e a facilidade de enriquecimento em médio prazo. Além de obras como a de Arturo Luciani e Bertino de Miranda, “O Estado do Amazonas (1899)”, feita em co-edição com o governo italiano para incentivar a vinda de imigrantes daquele país, investia-se no envio de figuras financiadas pela Província (depois Estado do Amazonas) para divulgar a região nos países europeus, como o Barão de Sant’Ana Nery — que fez propaganda na França . O Japão foi outro pólo de investimento. Desta vez, pensava-se o migrante japonês não para a economia gomífera, mas como agenciador ideal do projeto agrícola, sempre almejado e não viabilizado desde a Província.

 

As imagens da Exposição CENAS DO TRABALHO NA ECONOMIA GOMÍFERA são do “Anuário de Manaus (1913-1914)”, um indicador financeiro que, apesar de não se pautar exclusivamente no objetivo de atrair imigrantes, servia também ao mesmo.


 

 

 

O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região

 

A 1ª Exposição do CEMEJ11, aberta no dia 01/12/2010, data inauguração do órgão, teve como tema a instalação da Justiça do Trabalho no Brasil, em 1941, e a criação e instalação do TRT da 11ª Região. 55 pessoas entre autoridades, servidores e demais convidados participaram do evento de inauguração. A Exposição ficou aberta à visitação por um ano e recebeu 207 (duzentos e sete) visitantes.

 

Saiba um pouco mais sobre o TRT11.


Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Powered by Amazing-Templates.com 2014 - All Rights Reserved.